Em jeito de parabéns

dezembro 05, 2011 Vera 2 Comments


Eu sempre fui um bocadinho fantasiosa. Muito hábil a imaginar cenários perfeitos.

Lembro-me de pedir uma irmã/irmão. E imaginar um bebé só para mim. Para eu brincar. Para eu contar os meus segredos importantíssimos. Para ter alguém sempre disponível. Para querer o que eu queria. Assim como nos desenhos animados.

Uma das primeiras memórias que tenho daquele bocadinho de gente é de me ter sentado em cima dela. Esqueci-me que havia um bebé em casa e sentei-me em cima do cobertor que estava (como sempre esteve!) em cima do sofá para ver televisão. Só me lembrei que não era só eu quando a minha mãe começou a gritar. Ela nem sequer acordou. Passados uns tempos, ainda mal se punha em pé, trincou-me o rabo. Estava a fazer uma coisa que ela não queria e atacou onde chegava. Fiquei uns dias a sentar-me mal. Uns meses depois arranhou-me a cara de tal maneira que ainda hoje tenho cá a cicatriz. Os anos seguintes foram recheadinhos de lutas. Porque eu não tinha paciência, porque ela era chata, porque tinha a mania que sabia, porque queria sempre o meu lugar no carro, porque não só atrapalhava, porque perdia as minhas coisas.

Eu queria um bonequinho e saiu-me uma pisca cheia de personalidade.

20 anos depois, milhares de discussões depois, não me arrependo nem um bocadinho de ter pedido uma irmã.

20 anos depois, eu continuo a ser um bocadinho sonhadora. Só não sabia naquela altura, que afinal, era este o cenário perfeito.

Parabéns! :)
Nota1: Texto escrito na passada sexta feira e enviado à aniversariante no dia correcto.
Nota2: Atentar na minha expressão "eu tenho um boneco novo" e na cara de "isso pensas tu" daquele bocadinho de gente.

 

Também podes gostar disto

2 comentários:

  1. "Atentar na minha expressão "eu tenho um boneco novo" e na cara de "isso pensas tu" daquele bocadinho de gente."

    Único comentário possível: sempre mais perspicaz :p

    ResponderEliminar