Dizer Sim #02: O Vestido e Companhia

maio 28, 2014 Vera 11 Comments


Eu sabia que não queria uns sapatos brancos. Eu sabia que queria um ramo diferente. Eu sabia que queria unhas coloridas e brincos minimamente compridos. Eu sabia que queria o cabelo solto. E que nem me falassem em véu. Agora... o vestido? Eu não fazia ideia como raio é que queria O vestido.

Ou melhor... até fazia: eu queria um vestido comprido, de princesa, bonito, não muito caro e branco. Na verdade queria que o vestido custasse menos que um fim de semana em Barcelona (ajudou muito converter preços em viagens para... não cair em tentações). Não queria um vestido que fosse muito trabalhado porque eu queria poder exagerar nos acessórios. E pronto. Requisitos completos.


E depois... há o problema da escolha. Há lojas de vestidos online, há vestidos em segunda mão,lojas com centenas de vestidos, há lojas exclusivas a marca ou designer... Pus de parte a compra online por falta de coragem. Tenho uma amiga que comprou um vestido LINDO e perfeito aqui mas eu não tive coração (nem corpo) para arriscar. Experimentei uns vestidos aqui e acolá e fui gostando de uns e odiando outros. Um dia decidi que não passava daquele dia a escolha do vestido. Peguei na mãe, na amiga e na irmã (ajuda muito!), Porto acima, Porto abaixo, experimentei vestidos caros, baratos, curtos, compridos, de vários estilos e até... cores. Não chegamos a ver todas as lojas possíveis sequer. Acabei por encontrar dois preferidos: um curto e um comprido! Mantendo o plano original e sem uma lotaria no bolso, escolhi o comprido (pedi para lhe retirarem toda a cauda) e o assunto ficou arrumado.

Depois foi só ir escolhendo o resto. Os sapatos foram escolhidos e feitos à medida numa sapataria perto de casa. Escolhi o modelo e o material (primeiro queria-os forrados em tons de menta mas acabei por me decidir por sapatinhos de verniz).  Arranjei uma sabrinas confortáveis da mesma côr, uma flôr para o cabelo e uns brincos todos pipis (a ideia original era filigrana portuguesa, mas não encontrei o que tinha imaginado). Como o São Pedro não não ajudou, ainda tive que improvisar uma espécie de casaco  e até um guarda-chuva (eu tinha que pensar em tudo :)).


Quanto à ideia do vestido curtinho... viva os amigos, e as preciosas mãos de costureira de uma mãe que fizeram um vestido curtinho de boneca (que eu queria para dançar). "Mas tu vais gostar tanto do teu grande que não o vais querer tirar". "Ok, eu tiro-o para dançar e depois volto a vestir o comprido". Pois claro, depois de mais de 10h com um vestido comprido, branco, num dia húmido, muito pisado (e muito sujo), o vestido curto e leve caiu que nem uma luva e não saiu mais. Podia não ficar tão perfeito como o outro mas isso ninguém lá estava para reparar. Confortável, prático e fofinho, para dançar muito, muito tempo :)
 
Se me perguntarem se apareceram estrelinhas e o relógio parou quando decidi o vestido? Não. Não apareceram. Adorei o meu vestido, mas sei que não era o único perfeito e que estaria igualmente brilhante e bem com outros que vi (!). Se o voltaria a escolher? Provavelmente sim. Estava dentro do orçamento, ficava bem, e era muito confortável (são muitas horas com ele vestido, isto é importante!). O brilho da noiva (e eu senti-me um sol!) :) está no conjunto completo: vestido, acessórios, cabelo maquiagem e aquele sorriso de quem está incrivelmente feliz.

E Custos? Ora bem... dado o peso do vestido neste orçamento, é sempre ele que vai ditar os valores grandes. No meu caso, o total: vestido comprido (St Patrick) + casaquinho (St Patrick) + flor (H&M) + brincos (Accessorize) +  2 pares de sapatos (loja local e Colors Of California) + cabelo (incluíndo prova), ficou por cerca de 1100€. A langerie, a maquiagem e o  vestido curto foram ofertas e ficaram a cargo de amigos . O saiote do vestido foi emprestado.

Importante: Há duas coisas que condicionam esta escolha: o orçamento e os gostos da noiva. Para o primeiro problema: a solução é procurar e arriscar. Das mil opções disponíveis algum será a perfeita. Quanto ao modelo, independentemente da escolha (e das mil opiniões!) é preciso escolher um vestido com o qual nos identifiquemos, que seja confortável e nos faça sentir bem. Se possível, que não vos faça passar fome para o pagar (!). Experimentem vários modelos, mesmo aqueles que à partida já poderiam estar de parte e percebam em quais se sentem mesmo bem. Apostem nos detalhes que vos tornam únicas. Não façam da escolha um drama! O vestido é só mais um detalhe. Do resto apostem em coisas que vos façam sentir vocês. Mesmo que sejam sapatos coloridos, ramos com catos ou sabrinas rasas (não liguem se vos dizem que isso não é de noiva"!).

Também podes gostar disto

11 comentários:

  1. estavas LINDA LINDA :)
    vi tantas fotos e não me lembrava deste detalhe nas costas do vestido... mas não me esqueci dos sapatos ;)

    ResponderEliminar
  2. Oh! :) Obrigada! às vezes até eu descubro coisa que já não me lembrava!

    Andava para começar a escrever estes posts quase... desde o casamento. E agora, que passou um ano, estou cá com umas saudades!! :D

    ResponderEliminar
  3. Gostei do que escolheste e partilho da tua opinião, e gostei ainda mais das fotos, super giro e simples, como eu gosto.

    ResponderEliminar
  4. Parabéns pelo casamento :) Estavas muito gira, o vestido ficava-te muito bem. Levei o cabelo parecido ao teu só um pouco mais preso e só não levei cactos no bouquet porque não ficava bem com o estilo de vestido que levei porque eu adoro cactos e dão ramos de noiva originais - coisa que aprecio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, eu não quis um vestido que prendesse estas minhas divagações :) Queria uma coisa ali entre o clássico e o descontraído e acho que acabamos por conseguir. Obrigada!

      Eliminar
  5. Adorei! Muitos parabéns, tudo lindo, lindo!

    ResponderEliminar