Hakuna Matata

fevereiro 13, 2012 Vera 6 Comments

No dia 22 de Janeiro a vida puxou-nos o tapete. Um Tio (com letra maiúscula, sim) do T. sofreu um AVC hemorrágico grave. Sem ser minimamente espectável vimos, nuns instantes estupidamente compridos, alguém passar do bem ao paralisado-apático-coma. E eu, que demoro sempre a reagir em situações de pressão, consegui mexer-me, chamar, ligar, esperar, tratar, ir.

Dia após dia, eu acreditei que as coisas iam melhorar. Mesmo. Sabia que tinha sido muito grave, sabia que ia haver muito a fazer, mas achei que daqui a uns (longos) meses já estaria tudo bem.  

Não melhorou. 17 dias depois, perdemo-lo.

Quando soube, uma vez mais, percebi o que era preciso fazer. O que tinha que tratar, mudar, falar. A morte tem destas coisas estranhas. Aproxima-nos, dá-nos certezas, altera-nos. Sempre.
 
Hoje, ainda não tenho bem a certeza do que aconteceu. Todos os dias, me lembro das piadas, das conversas, dos almoços, das teorias. Todos os dias sinto aquela angústia. Porque é injusto, porque foi demasiado cedo, porque ainda não parece verdade. Por mim, pelo T., por todos nós.

E vamos sempre lembrar e sentir saudades. Sim. Que isso é bom. 

E agora, é lutar para esta angústia desaparecer. Para não ficarmos com o coração pequenino sempre que entramos naquela sala, virmos aquelas fotografias, andarmos naquele carro. Apoiar quem precisa mais e viver felizes. Sempre.

Até agora, estamos a fazer um bom trabalho. Estou orgulhosa.

Também podes gostar disto

6 comentários:

  1. Perdi as minhas duas avós dessa mesma maneira. AVC, hospital, esperança de melhora, algumas semanas de espera e depois, nada. Não havia nada a fazer. Detesto AVC's! Detesto mesmo.

    ResponderEliminar
  2. Muita força!!
    O tempo ajuda em tudo... ;)

    ResponderEliminar
  3. Não é fácil, mas aprende-se a ultrapassar a situação e a recordar apenas o que há de bom. Custa sempre, e vai sempre ficar esse lugar vago no coração, mas a vida terá sempre muita coisa boa a oferecer.
    Beijinho e força*

    ResponderEliminar
  4. Obrigada. :)

    @Analog: sim, eu sei. As memórias ainda estão sempre a aparecer e eu sei que vão continuar. Mas isso é bom. Obrigada*

    ResponderEliminar