Falham-me as horas nos dias.

maio 19, 2014 Vera 5 Comments

Desde que me lembro de ser gente que gosto de ocupar o tempo. Fazer coisas. Muitas e boas. Entre estudos, jogos, música, leituras, alguns desportos, grupos de tudo e mais alguma coisa, cursos, mini-cursos e "auto-cursos" e sabe-se lá o que mais fui inventando.

Nos últimos 20 anos já fiz muita coisa. Já aprendi muitas coisas, conheci muita gente, descobri muitas coisas que gosto e algumas que nem vale a pena voltar a tentar. Gostava de dizer que aprendi a gerir muito bem os meus níveis de paciência quanto a parvoíce alheia mas esse... é um work in progress com clara margem de progressão. Adiante.

Algures em Setembro do ano passado, recebemos lá em casa uma excelente notícia: o T. ia voltar à faculdade. Que bom! Um passo importante para ele, para nós... muitas horas sozinha para mim. E eu não sou miúda de tempos mortos e rapidamente comecei a arranjar coisas para fazer. O exame de inglês que andava a adiar há tanto tempo tinha que ser feito antes do Verão. Decidi dedicar-me mais a esta coisa de desenhar blogues que tanto gosto. Comprei um curso online. Passei a ter uma aula por semana de Pilates e outra de Ballet para adultos. Ajudei uns amigos a ensaiar uma peça de teatro. Quis correr. Aceitei um explicando com muitos problemas para resolver. E, claro, continuei a ter uma casa e uma vida para organizar e manter confortável, amigos para ver, trabalhos do T. para ajudar.

E tudo isto trouxe-me um problema que eu ainda não tinha tido até ao momento: gerir horários para coisas sem metas pré-estabelecidas. O inglês tem aulas marcadas e as viagens de comboio para estudo. O Ballet e o Pilates também têm um horário fixo. As explicações são flexíveis mas semanais. O teatro tem o tempo para ensaios. As tarefas rotineiras da casa tornam-se incontornáveis passados poucos dias. E isto dos blogues de que eu gosto tanto? Quem me pediu e confiou em mim para o design do blogue deu-me todo o tempo que eu precisasse e eu fui deixando isso para terceiro, quarto, décimo plano.

Gerir o tempo que me sobra tornou-se difícil. Convenci-me algumas vezes que no dia x já não dava mais e eu precisava era mesmo de parar um bocadinho. Outras vezes nem me apercebi do que lhe aconteceu. Ao tempo, o meu tempo.

Senti que falhei. Os blogues alinhavados estiveram demasiado tempo parados. Demorei dias a responder a emails. E se do outro lado recebi sempre respostas simpáticas "tem calma, fazes no tempo que der", do lado de cá não gostei. Eu iria compreender estando do lado de lá, mas... não ia ficar impressionadíssima com o trabalho. E eu gosto de fazer tudo bem. O melhor que sei ou que me é possível no momento.

A frustração foi crescendo. Durante a semana passada consegui finalmente fazer listas de afazeres para os vários projetos paralelos. Ontem risquei muitos, adicionei outros tantos. Acho que finalmente posso apregoar que apanhei o fio à meada. Espero não o soltar.

Pelo meio fiquei a admirar mesmo esta capacidade de motivação e organização que vejo em algumas pessoas que gerem o dia completo! Trabalhar em casa, com os horários construídos é difícil, muito difícil mas... não tinha sequer percebido o quanto.

Adiante. Espero que seja desta que estas ideias saiem da gaveta, que este blogue acorde e que comecem a nascer projectos novos. E hoje... se correr tudo bem, há blogue com cara nova na rede! :)

Também podes gostar disto

5 comentários:

  1. Bem que reparei que andavas desaparecida... Espero que as coisas tenham encarrilado e saiba mais de ti nos próximos tempos. Também ando a abarcar mais do que consigo fazer, mas espero entrar num momento de mais calmia em breve...
    Boa sorte! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu penso que sim, finalmente! :) Tenho saudades disto ;)

      Fico à tua espera!

      Eliminar
  2. Sim senhora, isso é que é atitude. Fizeste e fazes muitíssimo bem. Boa sorte com esses projectos todos :)

    ResponderEliminar