Feliz

julho 03, 2015 Vera 4 Comments

Há muito tempo que me apetece sentar-me a escrever. Adio sempre. Nunca sei como escrever, explicar. Nem sei se o que escrevo interessa a algúem, mas hoje... Hoje apetece-me escrever.
Tenho tudo e nada para contar. Apercebo-me que excluindo os 3 míseros posts na primeira metade do ano abandonei este blogue em Novembro passado. Estive sem postar mais ou menos durante o mesmo tempo deixei acumular fotografias no cartão de memória. No último Domingo revi os últimos 8 meses em imagens. Hoje apetece-me escrevê-los.

Novembro foi um mês estranho. Não foi um mês terrível, foi só estranho. Algures em Outubro soube que tinha na barriga um embrião sem vida. Não foi nada que me tivesse deixado mal, por muito contente que estivesse sabia que as probabilidades de não correr bem eram altas e (ok, posso ser uma pessoa fria) mas não senti que perdi nada (falamos de um embrião com cerca de 7 semanas), só adiei o bebé que queríamos. A coisa mais chata foi mesmo a recuperação física (e mesmo assim... nada do outro mundo) e a espera. Passaram as (boas) festas, chegou o ano novo, voltamos a Londres, conhecemos Berlim, comemoramos o segundo ano de casamento e descobrimos o rapazito inquieto que mora na minha barriga.

Estou a cerca de 15 semanas do final da gravidez (já!?). O tempo voa e eu mal dou por ele. Acabaram as aulas, o meu explicando passou de ano (feliz ou infelizmente, eu reconheço nisto mais mérito em mim que nele), o outro já fez os exames e o T. já não tem aulas. Ter um marido trabalhador-estudante é uma tarefa complicada, é quase como tê-lo a trabalhar fora de casa durante a semana, com a vantagem que me faz companhia a dormir e a desvantagem que há muitos fins-de-semana passados a trabalhar. Por isso, sempre que acaba um semestre eu quero sempre festejar, MUITO! Não me perguntem como será para o ano, com um bebé, logo veremos.

Estou feliz e orgulhosa. Estamos a meio do ano e o balanço é bom. O puto-que-me-tirava-do-sério acabou o 9º ano e tenho agora uma desculpa (a melhor!) para deixar de lhe dar explicações (e com o bom sentimento de missão cumprida!). O meu maridão vai acabar o semestre com um desempenho bom e cheio de motivação para o que ainda está para vir e eu derreto-me de orgulho (quem disse que os 28 era já tarde para começar uma licenciatura?). E, afinal, receber pontapés pode ser maravilhoso.

Estou feliz. Estamos. Não é assim todos os dias. Há dias cansativos, chatos. Há dias em que me pergunto onde raio estou com a cabeça quando me inscrevo em cursos, aceito explicandos, fico mais tempo no escritório, juntos os amigos para jantares, combino ir ter com o T. à faculdade, acordo cedo para o pilates quando... aquilo que queria mesmo era dormir. Há muitos em que não me percebo. Tenho tantas ideias para pôr em prática, tenho esta coisa do blogue meia adormecida, tenho fotografias das férias que mal foram vistas, tenho a casa virada do avesso (a minha casa tem sempre semelhanças com acampamentos ciganos...), tenho cafés prometidos e pendurados durante meses.

Mas hoje estou muito feliz. Percebo porque faço isto tudo. Olho para trás e sei que foi um meio ano bom. Que deu para construir muito, em todas as frentes que jogamos. Que adoro a minha família. A grande e a pequenina que estamos a construir. Que as nossa casa vai ser sempre o meu ninho, que adoro estar lá sozinha, a dois ou tê-la cheia de gente. Que a gata, por mais avariada que seja, só podia ser nossa. Que estão a chegar dias de bonança, com sol e nas férias o botão de preocupações será merecidamente desligado.

Depois, em Outubro tudo leva uma nova reviravolta. Que bom.

Também podes gostar disto

4 comentários:

  1. :D Que bom ter logo boas noticias pela manhã! Muitos parabéns :D
    Foi uma noticia que me deixou muito feliz ^^ Muitas felicidades e boa sorte para estas ultimas 15 semanas, que de certeza que ainda vão passar mais a correr :)

    ResponderEliminar
  2. Bem vinda de volta!! :) senti-me feliz ao ler a tua felicidade, parabéns pelo bebé, pela coragem do teu marido e por tudo de bom que fazes. Cá estou para te ler sempre que te apetecer escrever ou só porque sim :)
    Um beijinho, Mariana.

    ResponderEliminar
  3. Que bom ler-te novamente! E é engraçado, por motivos completamente diferentes, compreendo esse sentimento de me meter em mais uma empreitada e pensar "mas estou doidinha ou quê?". Mas ess aloucura dá imenso sabor à vida. Aparece mais vezes por aqui, conta mais coisas... :)

    ResponderEliminar
  4. Muitos parabéns, fico muito feliz por ti e pelo T. Que tudo corra bem :)*

    ResponderEliminar